close

Pets

AçãoAdoçãoCãesDestaquesEventosGatos

Mais de 100 pets adotados na Feirinha Terra Zoo da Forquilha

20046738_1949812758565346_9009527883775452303_n

Sucesso! Assim foi a Feirinha de Adoção da Terra Zoo, no sábado, dia 15, na loja da Forquilha. Num total de 103 pets adotados, – sendo 79 cães e 24 gatos SRD (Sem Raça Definida), entre adultos e filhotes -, ganharam novos lares! Todos vacinados, com a primeira dose antiviral e com microchip de identificação, foram doados tanto pets adultos castrados, quanto filhotes com agendamento da castração pelas ONG’s.

Muitas famílias felizes levando seus novos integrantes para casa.

Além de promover a Feirinha, a Terra Zoo abraça a causa animal e doará as ONG’s e protetores participantes, 10 quilos de ração por cada animal adotado.

Se você não conseguiu adotar ou não pode ir até a Feirinha, fique ligado nas próximas edições ou entre em contato com uma das ONG’s participantes, pois sempre há pets precisando de um novo lar!

ONGS E PROJETOS PARCEIROS DA TERRA ZOO:
AMADA – ASSOCIAÇÃO MARANHENSE EM DEFESA DOS ANIMAIS
FACEBOOK: AMADA – ASSOCIAÇÃO MARANHENSE EM DEFESA DOS ANIMAIS
INSTAGRAM: @amadasaoluis
E-MAIL: amada.sl@gmail.com

CÃES E GATOS DE RUA DE SÃO LUÍS
FACEBOOK: CÃES E GATOS DE RUA SLZ
INSTAGRAM: @caesegatosderuaslz
E-MAIL: caesegatosderuaslzma@gmail.com

DINDAS FORMIGUINHA
FACEBOOK: DINDAS FORMIGUINHA
INSTAGRAM: @dindasformiguinha
E-MAIL: fabiohborjas@gmail.com

LAR DE NOÉ
FACEBOOK: LAR DE NOÉ
INSTAGRAM: @lardenoe
E-MAIL: lardenoe@gmail.com

MUTIRÃO DE DOAÇÃO DE RAÇÃO
FACEBOOK: MUTIRÃO DE DOAÇÃO DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS – SÃO LUÍS
INSTAGRAM: @mutirao_slz
E-MAIL: mutiraoslz@gmail.com

 

 

Leia mais
AçãoAdoçãoCãesEventosGatos

Feirinha de Adoção na Terra Zoo da Forquilha, neste sábado

pet-animais

Neste sábado (15/07), acontece mais uma edição da Feirinha de Adoção na Terra Zoo da Forquilha. Cães e gatos SRD (Sem Raça Definida), adultos e filhotes, estarão disponíveis para adoção a partir das 9h da manhã, todos vacinados e com microchip de identificação. Se você quer ter um pet, ou aumentar sua família, essa é oportunidade de receber e oferecer amor a animais resgatados e que precisam de um lar.

Para adotar, é preciso atender aos seguintes requisitos:

Ser maior de 18 anos;
Apresentar RG e comprovante de residência;
Passar pela entrevista de adoção com as ong’s.
Além de promover a Feirinha, a Terra Zoo abraça a causa animal e doará as ong’s e protetores participantes, 10 quilos de ração por cada animal adotado.

E, se você não for adotar, pode conferir a feirinha e também ajudar a Amada – Associação Maranhense em Defesa dos Animais, que estará vendendo lanches, e o projeto Mutirão de Doação de Ração, que estará com um bazar de roupas, sapatos e acessórios. Tudo revertido para os animais resgatados e que estão sob suas tutelas.

Feirinha de Adoção Terra Zoo!
Sábado, 15 de julho, a partir das 9h na Terra Zoo da Forquilha.

Leia mais
CoelhoCuriosidadesDestaquesPets

Coelho: um pet cativante que se adapta à rotina humana

como-cuidar-de-coelho

Já pensou em ter um coelho de estimação? Se sua resposta for positiva, mas, você nunca teve um e quer ter o amor desse pet tão fofo e cativante, confira nossas dicas e sempre consulte seu veterinário de confiança.

Os coelhos são ótimos animais de estimação, pois possuem uma personalidade receptiva e se adaptam facilmente à rotina humana. O coelho é perfeito para a vida doméstica, inclusive para espaços reduzidos e para quem não tem quintal, como para quem mora em apartamentos!

Há muitos tipos de personalidade diferentes de coelhos, alguns são ativos, alguns são preguiçosos e alguns estão no meio termo. Ao segurar um coelho, seja gentil e segure-o com ambas as mãos, nunca tentando puxá-lo de qualquer jeito.

Para preservar sua saúde e alegria, o coelho precisa de alguns cuidados especiais: alimentação adequada, um viveiro confortável e quentinho, e um tempo, durante o dia, para saltitar e correr livremente.

Alimentação

Coelhos devem ser alimentados com ração apropriada e ter feno à vontade. A ração deve ser cuidadosamente controlada a partir de cerca de 6 meses para que o coelho não fique obeso. Os vegetais devem ser dados, todos os dias, a partir de cerca de 6 meses de idade, com o mínimo determinado pelo peso do coelho (leve ao veterinário para uma consulta).

Ofereça, uma vez ao dia, pelo menos um vegetal que contenha vitamina A. Frutas são quitutes especiais e devem ser dadas com moderação. E tanto as frutas quanto as verduras devem ser livres de pesticidas e muito bem lavadas!

Carnes, bebidas gaseificadas ou coloridas artificialmente não foram feitos para coelhos. Alface é um bom alimento, desde que seja orgânico.

Higiene e espaço 

Caso você opte pela gaiola, a limpeza deve ser realizada com certa regularidade, afinal, ninguém gosta de uma casa suja. Mas, deve haver o tempo diário para deixá-lo fora da gaiola também. Deixe o coelho explorar um pouco o espaço da casa, durante algumas horas por dia.

Se você pretende criar em um espaço a céu aberto, como quintal ou jardim, não esqueça de um espaço coberto para o coelho se proteger da chuva. Ele só precisa de uma gaiola (que pode ficar com a porta aberta) de 3 metros de largura x 2 metros de profundidade X 2 metros de altura, no mínimo. Se você optar em ter mais coelhos, eles irão precisar de mais espaço e uma gaiola maior ou cada um ter sua gaiola. O fundo da gaiola deve ser plano e não com os espaços normais de grades. Busque sempre a maior gaiola possível, pois espaços pequenos demais não são para coelhos.

Lembre-se que você terá que dar atenção para ele todos os dias, pelo menos um pouquinho. Quando viajar, certifique-se que alguém poderá tomar conta dele para você. Além desse tempo para seu coelho, deixe ele também ter alguns brinquedos seguros e atóxicos para brincar sozinho.

Se você tem um jardim, cuide para que este fique imune a vermes e bactérias, principalmente se você gosta de levar seu coelho para brincar nele. Doenças simples podem se tornar uma grande dor de cabeça e uma doença grave para seu bichinho. Certifique-se que seu coelho brinca e faz exercícios suficientes para não ter problemas devido a obesidade.

É importante que o coelho tenha sempre algo para roer em sua gaiola, preferencialmente madeira não tratada, ou ele terá problemas com sua dentição. Se ele ficar solto em casa, faça um ambiente à prova de coelhos, escondendo os fios da casa e objetos que você não quer que ele fique roendo.

Não é necessário dar banhos no seu coelho, mas se julgar necessário, pergunte ao seu veterinário qual xampu é mais adequado, para não causar nenhum problema de pele no animal. Para mantê-los frescos nos dias quentes, coloque gelo, água gelada ou um azulejo frio na gaiola. Não coloque cobertores na gaiola, pois o material com que o cobertor é feito pode sufocá-lo.

Gostou das dicas? Qualquer dúvida, consulte sempre um veterinário e, se você pretende ter essa fofura em casa, confira aqui tudo o que seu pet precisa!

 

Leia mais
Gatos

O que significam alguns comportamentos felinos?

gatonacaixaW

 

Gatos são animais fascinantes e cheios de mistérios. Eles possuem o córtex cerebral mais complexo do que os dos cães, pois possuem o dobro dos neurônios, representando cerca de 0,9% de sua massa corporal e têm também uma grande semelhança com a estrutura humana.

É curioso observar os vários comportamentos felinos e importante saber o que cada um significa, para uma boa convivência com eles, afinal, eles têm uma descendência próxima de grandes felinos selvagens e foram domesticados há mais de 10 mil anos atrás.

Um dos comportamentos mais comuns é o balançar da parte traseira do gato. Ficar remexendo o rabo, de um lado para o outro é sinal de que ele está se posicionando para um ataque. Já levantar a parte traseira em direção ao seu rosto é sinal de que o gato está dizendo “olá” para você.

Rolar para os lados, de barriga para cima, é demonstração de submissão ou convidando para brincar. Expor a barriga na sua presença é um enorme sinal de confiança. Mas, não confunda essa posição com aquela em que o gato fica de barriga para cima para se defender de um possível ataque. O comportamento amigável é aquele em que o gato deixa você tocar sua barriga.

Gatos piscam quando estão contentes ou relaxados, fechar os olhos, lentamente, na presença de alguém é um sinal de confiança. Tente piscar lentamente pra ele também, é uma forma de retribuir a confiança.

Gatos gostam de dormir enroladinhos e de sentar sobre as patinhas da frente, pois, além de conservar o calor do corpo, dá uma sensação de segurança para eles.

Quem não conhece o famoso amassar pãozinho? Esse é um comportamento que alguns gatos mantém de quando eram filhotes, e amassavam pãozinho na barriga de suas mães para ajudá-las a produzir leite. Quando seu gato faz isso, é um sinal de que considera você ou o ambiente familiar, ou que está contente ou querendo atenção.

Já levantar a perna é uma forma mais fácil deles se limparem, e mostrar o quanto são flexíveis.

Gatos também se comportam em alguns momentos como se estivessem encarando o nada, mas, na verdade, como eles têm os sentidos aguçados, provavelmente, naquele momento, o gatinho pode estar observando algum inseto ou alguma poeira voando.

Gatos estão sempre preocupados em se proteger, e é comum encontrarem proteção em locais pequenos e fechados. Uma caixa é perfeita pra isso, por isso, adoram ficar dentro delas, seja brincando ou dormindo.

Brincar de morder e arranhar é bem comum e não é, necessariamente, um sinal de agressão, mas pode ser também de brincadeira. Gatos não tem noção de que nós, humanos, não temos pelos para nos proteger de seus dentes e garras. Por isso, essa brincadeira deve ser moderada.

Fazer barulhos estranhos para pássaros ou insetos é um tipo de som que os gatos fazem quando estão se concentrando em um alvo para caçar. Frequentemente, também fazem esse som de frustração por não conseguirem alcançar o alvo.

Muitos gatos adoram beber água com a patinha, e tem explicação para isso: eles podem não querer molhar os bigodes ou podem achar a água muito “parada” e querer dar uma movimentada nela.

Gatos são ótimos no esconde-esconde, e quando querem ficar sozinhos e dormir sem distrações, encontram sempre um cantinho escondido para ficarem. Mas, seja paciente, eles sairão uma hora ou outra.

Esfregar a cabeça contra você é um dos comportamentos mais comuns. Isto significa que você lhe pertence e que é parte de sua vida, é uma maneira de dizer que está à vontade e feliz. É um privilégio se seu gato faz esse carinho em você.

Outro carinho é receber lambidas (lambeijos) de seu gato. Significa que há um vínculo muito forte entre o seu gato e você, já que o que está fazendo é te limpar ou te assear. Embora você possa não acreditar, isto não é nada comum, já que os gatos só limpam se houver um forte vínculo, seja a seus filhos, mãe, irmãos ou donos.

Você tem um gatinho? Que tal conferir nossa seção para felinos no site da Terra Zoo? Tem tudo o que você precisa para o seu bichano ficar feliz! Confira aqui.

Leia mais
AquarismoAvesCãesCuriosidadesGatosJardinagemNovidadesRaças

Já conhece a TV Terra Zoo? Confira a novidade!

logo TV Terra Zoo

A Terra Zoo tem mais uma novidade! Toda terça-feira, às oito da noite, em seu canal no YouTube, entra no ar um episódio inédito da TV Terra Zoo, com dicas, entrevistas, novidades e muita notícia bacana sobre pets, jardinagem, aquarismo, cultura e muito mais!

Vários quadros como o Você Precisa Saber, Da Terra e Minha Vida de Pet serão apresentados por Beto Lima, um dos nossos colaborazoores, sempre com muita simpatia e descontração, mas também com muita informação sobre esse universo tão encantador!

Confira aqui em nosso canal!

 

Leia mais
CãesEventosGatosNotícias

Arrasta Pet: muitas atrações para a toda a família!

desfile rainha caipira (6)

No último sábado, dia 17/06, aconteceu a primeira edição do Arrasta Pet, evento junino voltado para os pets e seus tutores, que aconteceu no mall em frente a Terra Zoo do Rio Anil Shopping.

Muitas atrações, voltadas para toda a família, aconteceram durante todo o dia. O Pet Park – com brinquedos exclusivos para cães, como escorregadores, obstáculos, túneis, etc. – ficou montado durante todo o evento, para os tutores brincarem juntos com seus peludos. Também aconteceu uma demonstração de agility, da empresa de adestramento Fort Cães, que mostrou como é possível ensinar muitos truques bacanas para os cães.

  

A Barraca do Lambeijo fez sucesso no evento e nas fotos postadas no Instagram pelos tutores, que colocaram a #ArrastaPet2017 e concorreram a um banho e uma tosa no Beauty Pet da loja do Rio Anil Shopping. O vencedor foi o Tito,  cãozinho da raça Shitzu, da Milla Rodrigues, a foto deles na barraca do Lambeijo foi a mais curtida no Instagram.

No Arrasta Pet, também aconteceu uma palestra muito bacana com os grupos de criadores Husky Siberiano São Luís, Labradores Slz e Patas DouradasGolden Retriever. Cada grupo falou sobre as respectivas características e responderam a perguntas, tirando dúvidas sobre as raças.

O Concurso Rei e Rainha Caipira Pet foi o grande sucesso do Arrasta Pet, um média de 30 cães concorreram nas categorias masculino e feminino. Os critérios de avaliação foram fantasia, beleza e desenvoltura no desfile. O eleito como Rei Caipira foi o cão Pepeto, da raça Golden Retriever, de 11 meses de idade, do tutor Danilo Augusto e a Rainha Caipira foi a Cecie, SRD (sem raça definida), também de 11 meses de idade, da tutora Letícia Assunção.

No Arrasta Pet ainda tiveram muitas brincadeiras com direito a brindes, a animação do forró pé de serra de Ronnie Duarte e Andrezinho e os Brotos do Forró, e muitas delícias nas barracas de comidas típicas, vendidas por ONG’s de São Luís (Amada, Lar de Nóe, Mutirão de Doação de Ração e Projeto Cães e Gatos de Rua de São Luís), que teve toda renda revertida para os animais abandonados que estão sob suas tutelas. Também aconteceu uma ação social, com um local para arrecadação de ração, que totalizou, ao final do evento, 75 kg que foram divididos entre as ONG’s .

 

Leia mais
CãesCuriosidades

Cães ativos, que tal se exercitar junto?

cães ativos 3

 

Alguns cães são verdadeiros atletas. O seu sistema nervoso, órgãos sensoriais e musculatura coordenam-se de tal modo que pode efetuar verdadeiras proezas físicas. A capacidade física de um cão é no mínimo surpreendente. Um animal que tenha uma vida diária sedentária pode passar um fim de semana inteiro a correr no campo, sem lhe observarmos sinais de cansaço. Realmente, na vida cotidiana é quase impossível distinguir entre um cão verdadeiramente atlético e um outro com uma vida sedentária, dado que a sua capacidade física é notoriamente superior à nossa.

Não devemos confundir um cão ativo com um cão com desequilíbrio nervoso. O primeiro animal que pela sua constituição física está capacitado para efetuar ações onde é necessária velocidade, agilidade, rapidez de reflexos, por exemplo, o Boxer, o Podengo ou um Terrier. O segundo é um animal com um certo equilíbrio emocional, impressionável, emotivo, que se altera com relativa facilidade perante estímulos insignificantes, por exemplo, um cão que se assusta quando ouve um ruído estranho à noite ou perante qualquer estímulo sonoro.

 

 

Raças como o Boxer ou Fox Terrier são frequentemente consideradas “demasiado nervosas”, quando acima de tudo são cães de trabalho, apaixonados por exercício, que precisam e gostam de espaços amplos, onde possam expandir essa sua paixão.
Quem possui um Boxer jamais o vê envelhecer e seu caráter pode ser descrito como: vitalidade, alegria jovial, carinho, apego à família e um constante desejo de movimento e jogo.

 

 

O Fox Terrier é outra raça que secularmente ganhou o título de nervosa. É um cão valente, nascido há mais de um século para a raça e tocas, onde entra sem hesitações. A trabalhar debaixo de terra, este cão atua sem comunicar com o proprietário, sendo que uma das primeiras características de temperamento selecionadas foi à independência, que produziu um cão sem sentido claro de hierarquia, dificultando a sua convivência com outros cães.

Outra característica é o seu ladrar, pois estes ladram ao sentir-se minimamente excitados. A sua voz anunciava a presença de uma caça na toca. Assim, foram selecionados cães de boa voz com o habito de ladrar. Atualmente, o Fox Terrier, mesmo criado para companhia, embora se tenham muitas gerações sem caçar, é ladrador e barulhento como os seus antecessores. Mas é justo rotular de nervoso um cão que segue simplesmente as normas de condutas que lhe foram incutidas durante dezenas de anos? Sem dúvida que não. Para os cães ativos, ação é o melhor remédio, passeios, caminhadas e brincadeiras vão deixá-los mais calmos, pode ser também uma oportunidade para você se exercitar junto e manter a forma.

 

Leia mais
AçãoCãesEventosGatos

Protetores e ONG’s recebem ração da Feirinha de Adoção

IMG_3450

No dia 27 de maio, aconteceu mais uma edição da Feirinha de Adoção Terra Zoo, na loja do Rio Anil Shopping. Muitos pets ganharam um novo lar e uma nova oportunidade de uma vida sem abandono. Foram 88 animais adotados, sendo 65 cães e 23 gatos, todos vacinados, castrados (ou castração a ser agendada) e com microchip de identificação.

A Terra Zoo doa 10 quilos de ração por cada animal adotado paras as ONG’s e protetores participantes, e nesta edição, o total foi 880 quilos de ração, que foram entregues dias após a realização da Feirinha.

Confira!

Leia mais
Cães

Lidando com cão agressivo, o que fazer

agressivo

A agressividade está presente em praticamente todas as espécies animais. Por meio dela, fazem a defesa de território e dos ataques predadores, protegem os filhotes, disputam alimentos e caçam. Com os cães, não é diferente, no convívio com o ser humano, a agressividade também pode aparecer. Na maioria das vezes, ela se manifesta por conta da falta de habilidade na maneira de lidar com o animal, e nem sempre por maus-tratos ou falta de carinho, como muitos costumam afirmar.

Existem diversas maneiras de lidar com animais. Em todas, devemos sempre buscar um relacionamento harmonioso e seguro. Mesmo cães aparentemente indefesos, como um simpático poodle ou um minúsculo chihuhahua podem se tornar agressivos. Saber lidar com comportamentos agressivos é essencial para que a relação entre o ser humano e o animal se desenvolva corretamente. E quando o animal se mostra demasiadamente agressivo, o domínio das técnicas passa a ser fundamental.

Não imitar os bichos

Muitas pessoas, inclusive especialistas, sugerem que, ao lidarmos com determinado bicho, imitemos os comportamentos de outros indivíduos da espécie dele. No caso do cão, tais pessoas sugerem que, ao dar uma bronca, devemos emitir um ruído semelhante ao rosnado, olhar diretamente nos olhos dele e, dependendo da situação, agarrá-lo pela nuca e dar uma sacudida, imitando a repreensão hierárquica canina.

Tais técnicas podem ser claras para os animais, já que são estímulos semelhantes aos que ocorreriam com eles se convivessem com outros da mesma espécie. Mas, quando nos comportamos desse modo, é de esperar que a recíproca seja verdadeira – o animal agir conosco da mesma maneira que se comportaria com um igual a ele. Quem estuda matilhas sabe que um cão hierarquicamente inferior pode um dia desafiar o líder, havendo a possibilidade inclusive de mata-lo. É claro que não desejamos isso para nós. Portanto, não devemos agir exatamente da mesma maneira que os cães se não quisermos nos arriscar.

Usar a inteligência

Conhecer a maneira que os animais se relacionam e como expressam a agressividade pode ser bastante útil para não estimular que essa agressividade se volte contra nós, um cuidado especialmente conveniente em situações potencialmente perigosas.

Atitudes que estimulam a agressividade podem aumentar as possibilidades de agressões futuras. Tanto contra o dono como contra outra pessoa que não pareça tão forte ou tão dominante para o animal. Por isso, a melhor repreensão é a que menos estimula o comportamento hostil. Cada vez que entrava na cozinha, um Rottweiler era repreendido de maneira agressiva pelo dono, que o segurava pelo cangote e o jogava para fora. O cão passou a responder com agressividade. Quando me trouxeram o caso, sugeri que, em vez de agarrar o Rottweiler, fosse dito “não” e se deixasse cair um biscoito no chão, para assustar o cão sem estimular a agressividade. A estratégia resolveu o problema com maior eficiência.


Tornar agradável a aproximação

O animal deve gostar da sua aproximação e não temê-la. Se ele o associar a coisas negativas, aumentarão as chances de um dia você ser atacado. Para sua segurança aumentar, você precisa está associado a coisas positivas como petiscos, companhia, brincadeiras, passeios, etc.

Fazer nossa força ser superestimada

Brincar é uma das maneiras de os animais testarem os oponentes sem se machucar. Quando brincamos com um animal, também poderemos estar sendo testados. Brincar com cão dominante pode ser uma estratégia para que ele passe a respeitar você e não atacá-lo.

Leia mais
CãesCuriosidades

Seu cão está ansioso? É possível ajudar seu pet

caoansiosocapa

Como animal que vive em grupo, o cão forma ligações. É normal, portanto, que sinta ansiedade quando está separado de quem tem vínculo. Mas não a ponto de passar por alterações comportamentais como a “latição” exagerada ou a destrutividade apresentada por alguns cães.
O comportamento exacerbado muitas vezes é estimulado pelos próprios donos do animal. Fazer o cão ficar próximo o tempo todo e saudá-lo efusivamente ao sair de casa e ao voltar, são atitudes que podem agravar o apego excessivo e ansiedade por separação, portanto convém não exagerar nas despedidas ou nos reencontros.

Mas as possibilidades vão além. A ansiedade pode se manifestar em cão que foi privado do primeiro aprendizado de “desapego” e “independência”, que, para ocorrer, é preciso que o filhote passe pelo processo completo de desmame. Outra possibilidade é a associação entre “ficar sozinho” e um trauma sofrido pelo barulho de um trovão enquanto estava sozinho, por exemplo.

A ausência prolongada de uma pessoa querida, como acontece em casos de divórcio, morte ou saída de casa do filho que cresceu também pode causar ansiedade por separação. E por aí vai. Até mesmo a chegada de um novo membro à família, o retorno às aulas depois de várias semanas de férias ou de uma estadia traumática ou prolongada fora de casa têm potencial para provocar o problema.

Não é tédio

Ansiedade por separação não é o mesmo que tédio e frustração por ficar sozinho. Na síndrome da ansiedade por separação, as atitudes do cão estão relacionadas com sofrimento psicológico; já em caso de tédio há apenas necessidade de ocupar melhor o tempo.

As duas situações produzem alguns sintomas semelhantes, como latidos excessivos e destrutividade. Mas a ansiedade por separação produz também sinais específicos como arranhar e destruir portas e janelas (tentativa de escapar), destruir objetos, muitas vezes relacionados com os donos (já que a ansiedade decorre da ausência deles), diarreia e vômito, falta de apetite, salivação excessiva, respiração ofegante e taquicardia. Uma soma de sintomas decorre da ansiedade por separação, inclusive evacuar fora do lugar, mas esse comportamento pode também ter relação com aprendizado incompleto do uso do banheiro, neste caso convém observar a causa.

Uma técnica que evidencia bem se o caso é de ansiedade por separação ou de tédio é gravação do que o cão faz enquanto está sozinho em casa. Os sintomas de ansiedade visíveis em um vídeo são inquietação e perambulação frequente sem relaxar, respirar ofegante e sinais de estresse como se lamber, bocejar e erguer uma pata para fora de contexto. Já os de tédio são descansar bastante, eventualmente se levantar, destruir algo e voltar a descansar.

É possível reverter os casos de ansiedade por separação. As sessões educativas devem ser realizadas diariamente, com o objetivo de acostumar o cão a permanecer calmo na medida em que os donos se afastam dele. Durante o período de treinamento, importante chegar em casa de forma neutra, sem qualquer premiação, para que o evento não ganhe importância excessiva. Não se deve punir o animal para não agravar a ansiedade do animal e o sofrimento dele.

Possível recaída

Há risco de a síndrome da ansiedade por separação voltar a se manifestar depois de controlada. O retorno pode acontecer a partir de uma mudança importante de rotina, principalmente em decorrência de algum evento traumático ou pela ausência prolongada do dono, por motivos como divórcio ou falecimento, e até pela morte de um cão de casa. O surgimento de doença neurológica como a síndrome de disfunção cognitiva, semelhante ao Alzheimer humano, também pode provocar recaída, já que a presença desse mal é capaz de trazer à tona antigos problemas comportamentais e neste caso, somente um especialista consegue diagnosticar.

Leia mais
1 2 3 5
Page 1 of 5