close

Coelho

CoelhoCuriosidadesDestaquesPets

Qual o melhor pet silvestre

hasmter_sirio_filhote

Antes de mais nada, é preciso saber se você vai dispor de tempo para cuidar do seu novo pet, pois não é interessante ter um animal de estimação com o qual não se consegue interagir.

Importante observar, que diferentemente de cães e gatos que têm instinto de caçadores, a maioria dos animais silvestres são presas na natureza, com tendências a se esconder e fugir, o que vai exigir de nós, mais tempo e paciência para interagir.

No quesito interação, os coelhos são os mais fáceis de se relacionar por serem muito espertos e inteligentes, além de serem “fofinhos”, e por estarem relacionados à figura do “coelhinho de páscoa” gozam de grande popularidade. Por estas e outras, os coelhos são os campeões na escolha de pets silvestres. Contudo, eles mordem e arranham facilmente quando acuados, possuem ossos leves e fracos, e musculatura forte, ideais para fugas, portanto são péssimos para contenção, por isto não são recomendados para crianças muito pequenas ou sem paciência.

Logo a seguir na preferência estão os porquinhos da índia. São menos agressivos e menos frágeis também, por isto são mais recomendados para crianças, porém nem sempre são curiosos, e normalmente são medrosos, dificultando a interação com seus tutores.

Se sua opção for por adquirir um hamster, os hamsters anões, por serem menores do que os sírios, têm frequência maior de preferência, porém são pets mais exigentes e irritadiços. Por isso, o hamster sírio é mais recomendável. Importante observar que diferentemente dos coelhos e porquinhos da índia, os hamsters têm comportamento individualista, por isto não é conveniente colocar mais de um hamster na mesma gaiola. Além disso são animais noturnos (tendem a dormir o dia inteiro) e são muito ativos e metódicos, podendo fazer barulhos durante a noite inteira (melhor não os deixar no seu quarto se você quiser dormir).

Existem vários tipos de gaiolas e brinquedos disponíveis para que o seu hamster se divirta e você também, uma vez que é bem legal observar as peripécias que eles costumam fazer enquanto se exercitam na gaiola.

Os ratos são os últimos colocados nas escolhas mais comuns entre os roedores, talvez pela relação natural que se faz entre ratos e lugares sujos. Outro aspecto que causa repulsa é a calda longa e pelada. Porém, enquanto pets, os ratos são excelentes, apesar de viverem pouco. Criadores de ratos costumam dizer que quem já teve um, sempre terá outros.

Nas lojas da Terra Zoo você encontra uma grande variedade de gaiolas, brinquedos, alimentos e acessórios, para o seu roedor de estimação, seja ele qual for.

Existem vários animais silvestres que se tornaram populares enquanto pets. Antes de pensar em comprar e adotar um, é interessante observar primeiro que eles precisam de cuidados específicos. De acordo com o IBAMA, alguns animais silvestres não podem ser criados como pets, a não ser que sejam adquiridos em criadouros legalizados pelo órgão, se for o caso.

Leia mais
CoelhoDestaques

Cuidados na alimentação de pets não convencionais

coelhos

Existem alguns mitos na alimentação de animais não convencionais, fruto da sabedoria popular. Culturalmente, macacos comem banana, coelhos comem cenoura, papagaios comem girassol, e jabutis se alimentam de mamão e tomate. Contudo, tais alimentos não bastam para que o animal esteja bem nutrido. Deficiência nutricional pode acarretar inúmeros distúrbios desde problemas neurológicos, doenças ósseas, hepáticas, renais, respiratórias e gastrointestinais, além de predispor a infecções bacterianas, parasitárias, virais e fúngicas.

Alimentar aves apenas com sementes por exemplo, pode levar à deposição de gordura no fígado e, mas tardiamente, a problemas hepáticos que causam despigmentação das pernas, hipercrescimento de bico e unhas, problemas de coagulação e obesidade, diminuindo drasticamente seu tempo de vida.

Quem disse que macaco só come banana?

Os repteis são animais que também sofrem muito com a desnutrição, mas por conta do seu metabolismo lento, sobrevivem mesmo desnutridos. Contudo, desenvolvem algumas doenças crônicas ao longo da vida que não chamam a atenção do tutor, já que não possuem expressões faciais que demonstrem dor. Portanto, é importante ficar atento, pois uma das principais causas de doenças dos pets não convencionais é a alimentação desbalanceada.

Leia mais
CãesCoelhoDestaques

Mantenha os parasitas longe do seu pet

WhatsApp Image 2019-09-14 at 11.48.38

A infestação pode acontecer até mesmo dentro de casa. Lugares insalubres são mais propensos à infestação, mas o contagio também ocorre em lugares do nosso convívio, como quintal de casa, pet shop ou em um simples passeio pela rua ou pela pracinha do bairro, na qual os pássaros, roedores e outros cães tem acesso.

O controle de ectoparasitas, como pulgas, também deve ser realizado no ambiente e nos pets. Deve-se evitar contato com outros animais, como pássaros, camundongos, ratos, lagartixas e insetos que também podem transmitir doenças.

Limpeza do ambiente

Muito importante medicar periodicamente seus animais, inclusive as fêmeas gestantes, com vermífugos e antiparasitários de forma preventiva ou como tratamento, manter o ambiente sempre limpo, realizando a limpeza simples com água sanitária, recolher suas fezes diariamente e descartá-las de maneira correta, garantindo que outros animais não tenham contato com elas, também são formas de prevenção.

Vermifugação correta

Existem vários protocolos de vermifugação, que podem mudar de acordo com a referência utilizada, é importante conversar com seu veterinário para que ele passe o mais indicado para o seu animal.

Na Terra Zoo você encontra uma enorme variedade de produtos e profissionais para orientá-lo a fazer a vermifugação do seu pet da forma correta.

Abaixo, segue um esquema simples, explicando quando, em geral, devemos vermifugar os pets:

  • Filhotes: O remédio deve ser ministrado nos primeiros 15 dias de vida do cão, com reforço após 15 dias. O animal deve continuar com o tratamento, de forma mensal, até o sexto mês de vida. Nos gatos, a primeira dose é aos 30 dias, com reforços após 15 e 30 dias da dose inicial. Assim como nos cães, os felinos devem seguir o tratamento, mensalmente, até o sexto mês.
  • Mais velhos: Em animais adultos, principalmente, aqueles que tem contato com outros bichos ou não são acostumados a ficar na rua ou em praias, a recomendação é vermifugar a cada 4 meses.
  • Gestantes ou lactantes: Para as gatas e cadelas prenhes, o cuidado é o mesmo e não pode haver descuido, pois as chances de contaminar os filhotes são bem maiores, elas devem ser vermifugadas a partir de 45 dias de gestação, e depois simultaneamente com os filhotes.
Leia mais
CoelhoDestaquesPets

Minicoelho: um pet fofíssimo para você se apaixonar

383937-970×600-1

Se os coelhos comuns já seduzem com sua fofura, imagine suas miniaturas! Com apenas, em média, 30 cm da ponta do focinho à base da calda, eles têm menos da metade do comprimento de seus primos de tamanho normal. Em vez dos 10 a 12 kg dos coelhos tradicionais, pesam 800 g a 2,5 kg, dependendo da raça. São diversas opções. Com pelos curtos há o Netherland, O Dwarf, o Hotot, o Mini Rex e o Mini Lop. Já com pelos medianos e longos, macios e volumosos, existem o Lion Head, o Angorá, o Teddy e o Fuzzy Lop.

Convívio

Interativos, silenciosos e inteligentes, os minicoelhos estabelecem relações de convívio social com toda a família. Podem ser ótimas companhias para crianças, desde que manuseados com cuidado e segurança, sob supervisão de adulto como se recomenda fazer com os animais de estimação em geral.

Com os animais em geral, os minicoelhos costumam ser tranquilos. Por isso, nunca deixe o minicoelho sozinho na presença de outros animais com os quais ele não tenha tido contato prévio. Um simples descuido poderá ser fatal.

Aproximadamente com 6 meses de idade, quando os minicoelhos chegam à maturidade sexual, tendem a desenvolver territorialidade e dificuldade de convívio pacifico com exemplares da mesma espécie ou até mesmo com pessoas. Nesses casos castrar o exemplar adulto reduz a agressividade.

Alimentação

Minicoelhos precisam de muita verdura, preferencialmente folhas verde escuro como: couve, almeirão e espinafre, que podem ser complementadas com as folhas mais claras, como alface, devem ser evitadas as rações destinadas a coelhos de produção, por conterem excesso de micronutrientes que ao longo prazo causam problemas clínicos aos minicoelhos.

Saúde

Não há necessidade de vacinar minicoelhos mantidos como pet no Brasil. Mas convém estar atento à presença de parasitas e, caso ocorram, providenciar o respectivo tratamento. Pulgas, carrapatos e, principalmente sarnas de ouvido são comumente observados em exemplares expostos a ambientes contaminados ou que convivem com espécies hospedeiras.

A expectativa média de vida dos minicoelhos é de 6 a 8 anos. Mas há exemplares que chegam aos 12 anos.

Leia mais
CoelhoCuriosidadesDestaquesPets

Coelho: um pet cativante que se adapta à rotina humana

como-cuidar-de-coelho

Já pensou em ter um coelho de estimação? Se sua resposta for positiva, mas, você nunca teve um e quer ter o amor desse pet tão fofo e cativante, confira nossas dicas e sempre consulte seu veterinário de confiança.

Os coelhos são ótimos animais de estimação, pois possuem uma personalidade receptiva e se adaptam facilmente à rotina humana. O coelho é perfeito para a vida doméstica, inclusive para espaços reduzidos e para quem não tem quintal, como para quem mora em apartamentos!

Há muitos tipos de personalidade diferentes de coelhos, alguns são ativos, alguns são preguiçosos e alguns estão no meio termo. Ao segurar um coelho, seja gentil e segure-o com ambas as mãos, nunca tentando puxá-lo de qualquer jeito.

Para preservar sua saúde e alegria, o coelho precisa de alguns cuidados especiais: alimentação adequada, um viveiro confortável e quentinho, e um tempo, durante o dia, para saltitar e correr livremente.

Alimentação

Coelhos devem ser alimentados com ração apropriada e ter feno à vontade. A ração deve ser cuidadosamente controlada a partir de cerca de 6 meses para que o coelho não fique obeso. Os vegetais devem ser dados, todos os dias, a partir de cerca de 6 meses de idade, com o mínimo determinado pelo peso do coelho (leve ao veterinário para uma consulta).

Ofereça, uma vez ao dia, pelo menos um vegetal que contenha vitamina A. Frutas são quitutes especiais e devem ser dadas com moderação. E tanto as frutas quanto as verduras devem ser livres de pesticidas e muito bem lavadas!

Carnes, bebidas gaseificadas ou coloridas artificialmente não foram feitos para coelhos. Alface é um bom alimento, desde que seja orgânico.

Higiene e espaço 

Caso você opte pela gaiola, a limpeza deve ser realizada com certa regularidade, afinal, ninguém gosta de uma casa suja. Mas, deve haver o tempo diário para deixá-lo fora da gaiola também. Deixe o coelho explorar um pouco o espaço da casa, durante algumas horas por dia.

Se você pretende criar em um espaço a céu aberto, como quintal ou jardim, não esqueça de um espaço coberto para o coelho se proteger da chuva. Ele só precisa de uma gaiola (que pode ficar com a porta aberta) de 3 metros de largura x 2 metros de profundidade X 2 metros de altura, no mínimo. Se você optar em ter mais coelhos, eles irão precisar de mais espaço e uma gaiola maior ou cada um ter sua gaiola. O fundo da gaiola deve ser plano e não com os espaços normais de grades. Busque sempre a maior gaiola possível, pois espaços pequenos demais não são para coelhos.

Lembre-se que você terá que dar atenção para ele todos os dias, pelo menos um pouquinho. Quando viajar, certifique-se que alguém poderá tomar conta dele para você. Além desse tempo para seu coelho, deixe ele também ter alguns brinquedos seguros e atóxicos para brincar sozinho.

Se você tem um jardim, cuide para que este fique imune a vermes e bactérias, principalmente se você gosta de levar seu coelho para brincar nele. Doenças simples podem se tornar uma grande dor de cabeça e uma doença grave para seu bichinho. Certifique-se que seu coelho brinca e faz exercícios suficientes para não ter problemas devido a obesidade.

É importante que o coelho tenha sempre algo para roer em sua gaiola, preferencialmente madeira não tratada, ou ele terá problemas com sua dentição. Se ele ficar solto em casa, faça um ambiente à prova de coelhos, escondendo os fios da casa e objetos que você não quer que ele fique roendo.

Não é necessário dar banhos no seu coelho, mas se julgar necessário, pergunte ao seu veterinário qual xampu é mais adequado, para não causar nenhum problema de pele no animal. Para mantê-los frescos nos dias quentes, coloque gelo, água gelada ou um azulejo frio na gaiola. Não coloque cobertores na gaiola, pois o material com que o cobertor é feito pode sufocá-lo.

Gostou das dicas? Qualquer dúvida, consulte sempre um veterinário e, se você pretende ter essa fofura em casa, confira aqui tudo o que seu pet precisa!

 

Leia mais