close
13d11798a01

É comum se ouvir reclamações por motivo de mau comportamento ou hábitos indesejados, que são também umas das principais causas do abandono. Por outro lado, muitas das vezes os próprios tutores são responsáveis pelos maus hábitos de seus pets. É comum vermos pessoas deseducando de forma inconsciente ou até ensinando hábitos errados aos pets.

Manter uma convivência saudável com o pet e educa-lo, é o primeiro passo para ter um cão sociável e companheiro. E para poder educar é preciso se informar sobre as diferentes técnicas e possibilidades existentes na vasta área do adestramento animal.

Como a lista de comandos e truques que podemos ensinar aos cães é imensa, eis aqui algumas entre as consideradas principais e mais solicitados.

Quando começar: Quanto mais cedo ensinar ao filhote melhor, pois têm mais facilidade em aprender. No geral, a partir dos dois meses é uma boa idade. Por serem gulosos, ficam mais concentrados no petisco, são mais seguros e desengonçados – ensinar o “senta”, por exemplo, não vai ser difícil já que eles gostam de permanecer sentados. Os mais velhos também aprendem, mas costumam demorar mais tempo pois, na maioria das vezes, são desconfiados, inseguros e firmes, ou seja, para ensinar a sentar você precisa se empenhar mais para induzi-los ao movimento correto.

Usando petiscos: Tudo fica mais fácil quando recompensamos o mascote com petiscos. A melhor estratégia, é recompensar o cão pelos acertos, para motivá-lo a obedecer aos comandos. A recompensa pode ser carinho, elogio, interação por meio de brincadeira ou petisco. É dada prioridade ao petisco associado com apetite por ser esse tipo de premiação a que mais incentiva o interesse dos cães em fazer de tudo para ganhar prêmios. Um jeito prático de adicionar os petiscos é usar uma pochete presa à cintura, onde você vai guardar os petiscos na hora do treino.

Cuidado para o aluno não engordar: Durante as aulas de adestramento, o cão ingere muitos petiscos, a ponto de correr risco de engordar por desbalanceamento nutricional. O jeito mais prático de evitar que isso aconteça é adotar os grãos da própria ração como petiscos. Desconta-se da refeição a porção servida nos treinos. Quem optar por outro tipo de petisco deverá respeitar o consumo diário máximo indicado na embalagem do produto. Outro cuidado é contar com orientação de um médico veterinário sobre como compensar, nas refeições, as calorias obtidas com os petiscos conquistados nos treinos.

Apetite bem-vindo: Quanto mais interessado o cão estiver em ganhar petisco, mais vai se esforçar para ir bem nos treinos. Por isso, é muito mais produtivo treiná-lo antes das refeições do que depois.

Palavras usadas nos comandos: Qualquer palavra pode ser um comando se for usada desde o início associada a mesma ação. Se você quiser usar comandos com palavras diferentes sugeridas, prefira as curtas, para simplificar a comunicação, com sonoridades bem diferentes e que não pareçam com o nome do cão, para não confundi-lo.

De olho no aproveitamento: Mantenha-se atento á disposição do cão durante os treinos. Se ele der sinais de cansaço, como ficar ofegante, disperso ou não responder aos estímulos, é hora de parar. Caso esses sinais aconteçam frequentemente, diminua a duração das sessões. Cães costumam aproveitar bem os treinos de até 15 minutos e encarar com naturalidade até três sessões por dia.

Premiar sempre? Depois que o cão estiver praticando corretamente um comando, a entrega de petisco quando ele acertar, pode ser reduzida. Mas, geralmente, recompensar continua a ser importante para manter a motivação por futuros atendimentos ao comando. Carinho, festa, brincar com o cão e dar petiscos são maneiras de recompensar. Observe o que motiva seu cão. Alguns cães até continuam realizando os comandos aprendidos sem receber qualquer premiação, mas não são todos.

Uso de coleira: Durante os treinos realizados em ambiente público, é importante que o cão esteja usando coleira atrelada a uma guia, mesmo que fique solta, sem ninguém segurar, sendo arrastada. Dessa maneira, torna-se mais fácil o controle do animal em caso de necessidade.

Tags : adestramentocachorrocachorroscãescomportamentodicadicaspet
Terra Zoo

Sobre o autor Terra Zoo

Deixe uma resposta