Categorias
Cães Destaques

Atividades para cães cheios de energia

São inúmeras as raças de cães cheios de energia, bem maior do que aquelas consideradas de cães considerados mais paradões, afinal de contas, muitas raças foram selecionadas a princípio para participar de atividades ao ar livre, como a caça, a guarda, ou até mesmo para acompanhar carruagens, como no caso dos dálmatas. Portanto, haja energia para gastar.

Com certeza aqueles cães que na hora do passeio puxam a guia, só o fazem porque de alguma forma são recompensados, ou seja, se o cão puxa a guia, ele faz isso porque de alguma maneira vale a pena para ele. Assim, a primeira providência deve ser tomada para ensinar o cão a não puxar é justamente não deixar que ele chegue onde quer dando os puxões. Se ele der o tranco, o dono deve mantê-lo perto de si. Paralelo a isso devemos ensinar o cão a gostar de andar ao lado, com o treino citado anteriormente, recompensando cada passo que ele dá junto de nós.

Gastando energia

Todos os cães, sem exceção, precisam gastar energia. O que vai variar de cão para cão é o nível de energia. Para cães com baixa energia até 1 hora de atividade leve e moderada por dia é suficiente. Para cães com nível de energia um pouco mais alto, pelo menos 2 horas de atividades, incluindo bolinhas, frisbee, corrida leve. Agora para um cão com um nível de atividade muito alto, como o Border Collie ou o Jack Russell, o gasto de energia precisa ser intenso. Para se ter uma ideia, se o dono quiser gastar essa energia apenas andando, ele precisa caminhar de 8 a 9 horas por dia. Assim, a rotina para quem tem um cão desses, precisa ser estruturada com atividades rigorosas, como corridas, brincadeiras com outros cães, passeio a lugares novos, treinos de comandos e truques, e se possível, o dono precisa praticar esporte com ele. Pode ser agility, frisbee, canine freestyle, ciclismo, brincadeiras intensas de bolinhas. O ideal é que o cão volte exausto para casa pelo menos uma vez por dia. Parece que uma atividade quase impossível, não é mesmo? Mas se o dono inserir o cão na sua rotina de atividade física, essa energia pode ser gasta e o vínculo entre o cão e o dono aumenta.

Mas é preciso está super atento, pois cada cão tem suas particularidades. No caso de cães branquicefálicos como Pugs e Buldogues, é preciso ter um cuidado extra: atividade intensa pode fazer com que ele superaqueça e pode levá-lo a óbito. Então, antes de iniciar uma rotina de atividades físicas para o seu cão, o ideal é que você se informe sobre o perfil da raça que adquiriu e que faça uma consulta ao veterinário.

Jogando bolinha

Brincar com cães de buscar e trazer a bolinha de volta, é sempre muito divertido. Mas é  muito comum as pessoas dizerem “meu cão busca a bolinha quando eu jogo, mas ele não me devolve”. Nesse caso, existe uma maneira simples de fazer com que ele devolva a bolinha: tenha duas bolinhas em mãos, jogue a primeira e assim que o cão pegá-la, o estimule a voltar para você, chamando, fazendo festinha. Quando ele chegar perto, nunca tente tirar a bolinha da boca dele. Isso é extremamente aversivo, pois você está tirando algo que ele quer muito, e fazendo isso você o estimula a realmente não entregar a bolinha. Nesse momento você deve apresentar a outra bolinha que está com você. Normalmente um objeto que está nas mãos do dono é muito mais interessante do que qualquer outro, então os cães tendem a soltar a bola que estão segurando quando a outra é apresentada. Assim que ele soltar, jogue a outra bolinha e repita esse processo várias vezes. Dessa maneira o cão entende que se ele soltar a bolinha, a brincadeira continua da mesma maneira.

Quando o cão estiver fazendo isso bem com duas bolinhas, soltando a primeira assim que se aproxima de você, pode passar a usar apenas uma, esperando o cão soltar. Nesse momento pode associar a palavra “solta” ao momento em que ele abre a boca, e jogar a bolinha novamente.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.