close

Novidades

CãesCuriosidadesNovidadesRaças

MASTIM NAPOLITANO

img-destaque

O mastim é descendente do mastiff que os romanos trouxeram da Grã-Bretanha. O grande porte do animal dava um aspecto imperial ao mascote, que caiu no gosto da nobreza romana. Quando chegou a Napoles, no sul da bota, o mastiff foi cruzado com o molosso romano, uma raça já extinta, ganhou a pele abundante e pendente no rosto e teve o nome latinizado para “mastim”. Por séculos, foram selecionados para servir de cães de guarda em elegantes mansões napolitanas, o que gerou uma raça leal aos seus donos. O filhote enrugado e acizentado está entre os mais fofos do reino canino, mas precisa ser socializado para conviver em harmonia com a família. Depois que se acostuma com humanos, é para toda a vida – apesar de ser levemente bagunceiro quando adulto.

image006

Temperamento e cuidados com a raça Mastim Napolitano

O Mastim Napolitano, raça de cães oficialmente chamada de Mastino Napoletano, não é uma raça para todos. Esta raça a primeira vista, pode parecer um pouco intimidante, mas na verdade é uma raça de cachorros muito carinhosos, calmos, tranquilos e amorosos. Cachorros da raça Mastim Napolitano gostam de receber visita de pessoas da família e amigos, sendo muito bons anfitriões. O Mastim Napolitano é um cachorro que baba bastante, principalmente em tempo muito quente, e depois de beber água gostam de se limpar nas pessoas o que ás vezes não é lá muito agradável. Os machos tendem a ser mais babões do que as fêmeas.

Cães da raça Mastim Napolitano são muito inteligentes e também muito obedientes, trata-se de uma raça de cachorros com uma índole extremamente protetora, corajosa e apesar de ter um ar um pouco sério, devido a expressão de seu rosto, são muito gentis. Dotados de um temperamento calmo, estes cães tendem a latir apenas quando necessário. Alguns exemplares da raça podem ser reservados com estranhos e por isso é sempre importante socializá-los bem com pessoas, lugares, sons e animais desde muito cedo. Estes cães são geralmente muito carinhosos com as crianças, desde que sejam crianças que não machuquem, não gritem com eles e tenham sido ensinadas a ter um comportamento adequado e educado diante de um cachorro, em geral cães sabem respeitar quando são respeitados e também em geral cães não reagem bem a gritos e comportamentos pouco amistosos.

image007

Classificação superior: Cachorro

Expectativa de vida: de 8 a 10 anos

Personalidade: Protetor, Obediente, Teimoso, Destemido, Dominante, Treinável

Peso: Macho: 60–70 kg, Feminino: 50–60 kg

Altura: Macho: 63–77 cm, Feminino: 58–70 cm

Cores: Preto, Tawny, Mahogany, Tigrado, Azul

Leia mais
CãesCuriosidadesNovidades

OS BENEFÍCIOS DA CASTRAÇÃO

img-destaque

Quando seu pet entra na “puberdade” é chegada a hora de tomar a decisão, às vezes difícil, de castrá-lo. Muitos donos ainda ficam receosos com a operação, em grande parte pelas dúvidas que têm sobre ela e pelo medo de fazer seu amigo sofrer. Para esclarecer os mitos e verdades da castração, consultamos especialistas que vão ajudar você a entender melhor essa operação que, além de evitar a reprodução indesejada, previne doenças que podem surgir devido a presença de hormônios do ciclo reprodutivo. Segundo veterinários cerca de 70% das cadelas não castradas desenvolvem tumor de mama, mas, se forem operadas precocemente, a chance de terem a doença é praticamente zero. O tumor de mama está diretamente relacionado com a cadela que tem ovário, não importando se ela teve cria ou não. A castração também previne problemas como a piometra, grave infecção uterina em gatas e cadelas, e tumores da próstata nos machos.

image004

Muitos têm medo do pós-operatório

A dentista Marta Ribeiro,  conta que só aprendeu os benefícios da castração há alguns anos quando suas gatas Ligia e Luiza tiveram piometra. “Minha gatinha mais velha, morreu no pós-operatório da cirurgia de infecção no útero, até ela ficar doente, não sabia que a castração poderia ser benéfica, por isso não fazia a operação em pets antes”. Hoje Marta tem dois gatinhos, o Junior, de 8 anos, e a Lady, de 2 anos, que foram castrados ainda jovenzinhos. Devido à diminuição hormonal, a esterilização pode trazer mudanças comportamentais, mais evidentes três meses após operação.

A castração também evita que o bicho fuja de casa para procriar, ficando sujeito a doenças e acidentes, e em machos atenua problemas como demarcação de território, além da agressividade motivada pela excitação sexual constante. Nas fêmeas, a castração minimiza episódios de gravidez psicológica e suas consequências, como a inflamação das mamas.

 

Como saber se é hora de castrar o pet?

Em geral, os especialistas sugerem que a castração aconteça no primeiro ano de vida, por volta dos 6 ou 8 meses de idade, no machos. No caso das fêmeas, alguns recomendam castrá-las antes do primeiro cio, ou após esse período. Outros acreditam que a melhor idade é após o primeiro cio das fêmeas, e nos machos antes da puberdade.

A fase da vida em que o pet é castrado influência no comportamento que ele terá dali em diante. Quando a castração é feita antes do primeiro cio nas fêmeas e nos machos antes dos 10 meses de idade, a tendência é que o pet se mantenha ativo e brincalhão por muito tempo. Já quando a cirurgia é feita tardiamente, após 1,5 ano nos machos e depois do segundo cio nas fêmeas, o animal tende a ficar mais sedentário e a engordar, alguns cães ficam mais mansos, e os gatos põem deixar de demarcar território. Mesmo com a esterilização, alguns machos mantêm comportamentos como urinar fora do lugar, perceber quando a fêmea está no cio e acasalar, brigar com outros machos, entre outras peraltices, devido ao instinto natural dos animais.

Anestesia: o pesadelo dos donos de pets

Muitos ficam receosos de castrar suas cadelas por causa da anestesia. Independentemente do tamanho do animal, não existe procedimento médico sem riscos. Contudo, na anestesia se utilizam anestésicos e equipamentos para diminuir o risco calculado.  Antes da cirurgia é recomendado fazer exames de sangue, como hemograma, para avaliar o estado de saúde do pet. No caso dos mais velhos ou daqueles que têm alguma doença, é feito um acompanhamento mais específico.

Cuidados pós-cirúrgico são essenciais

Nos dias que se seguem à castração deve-se seguir a orientação do veterinário. O pós-cirúrgico consiste em cuidar da ferida cirúrgica, além da administração de anti-inflamatórios e antibióticos para prevenir dores e infecções. Animais muitos agitados devem evitar o sobe e desce de escadas e sofás para não infeccionar os pontos. Maior cuidado deve se tomar com as fêmeas, pois a incisão é abdominal, já os machos ficam com sutura somente na pele.

Outra dica é oferecer alimentos com maior índice de proteína. Os pontos, feitos com fios cirúrgicos à base de náilon ou outros materiais, são retirados, em média, após 8 a 10 dias de castração, e a quantidade dependerá do tamanho do pet. Os fios cirúrgicos absorvíveis também são adotados em cirurgias realizadas em pets.

Atenção redobrada com os pontos!

Enquanto os pontos não são retirados, seu amiguinho não deve coçar ou lamber a região. Se o seu pet for daqueles que não conseguem se controlar, existem roupinhas pós-cirúrgicas e colares que podem ajudar.

Leia mais
CãesCuriosidadesNovidadesRaças

Pets no ambiente de trabalho

img-destaque

Teca: gata que é a vedete da empresa

Com trânsito livre pelos departamentos do estabelecimento, Teca é mais do que uma mascote. Segundo Marcos Santos, publicitário da Marketing Spot, a gata mestiça é “responsável por aquela pausa necessária durante o expediente”. Sua presença ali suaviza o clima de estresse tão comum dentro de uma empresa. Isso por que a companhia de um animal de estimação em um escritório tem o poder de amenizar o estresse no ambiente e ainda fomenta a criatividade. Essa não é a opinião de alguém apaixonado por bichos, mas sim informação de uma pesquisa realizada este ao pela Universidade Virginia Commonwealth, nos Estados Unidos.

A rainha do pedaço

Todos os funcionários são um pouco responsáveis por ela,  talvez por isso, hoje reine absoluta, pois tem total permissão para vagar perto de todos e escolher onde quer tirar o próximo cochilo. “Quando estamos trabalhando, muitas vezes ela resolve andar e deitar sobre o teclado de algum computador”, revela . A gata cheia de mimos ainda colabora trazendo ao cotidiano da empresa situações divertidas. “Como ficamos no segundo andar, ela fica de olho nos pombos da rua e sempre tenta pegar algum, mas acaba dando com a cabeça no vidro”, conta o publicitário, comprovando que tudo vira motivo de riso quando Tequinha se envolve em aventuras que quebram a rotina do trabalho.

O bom é que, até  agora, nenhum cliente reclamou da presença ilustre e muito ativa da gatinha. “Tem vezes que nem conseguimos fazer a reunião direito, pois os clientes querem ficar brincando com a gata”, se diverte o gerente da empresa, Claudio Pinto.

image005

 

No Brasil, empresas resistem à iniciativa

Nos Estados Unidos muitas empresas já praticam o Pet Day, aquele dia em que os funcionários levam seus animais para interagir no ambiente de trabalho. Aqui no Brasil ainda é uma novidade que encontra bastante resistência. Para a consultora de RH Patricia Lima, isso ocorre por pura falta de uma politica de inclusão, e até mesmo pelo fato de nem sequer haver interesse em aprender como lidar com o tema. O outro ponto pela consultora, que defende a prática do Pet Day nas empresas em que presta serviço, é a falta de infraestrutura. Telma explica que a promoção de ações como essa demanda, além de espaço para o livre trânsito dos animais, pausas para acompanhá-los na hora das necessidades fisiológicas. “O animal é um objeto de amor e afeto, normalmente, num ambiente de trabalho, todos se policiam para não demonstrar esse tipo de sentimento, mas, com a presença dele, você faz isso com naturalidade, pois o bicho atua com um ponto comum para que todos á sua volta relaxem e recarreguem as baterias, ele aproxima as pessoas, pois acabamos conhecendo esse lado mais emocional de cada um”, argumenta Patricia, que já levou Guto –seu poodle – para acompanha-la em visitas que faz á empresas.

image004

Leia mais
CãesCuriosidadesNovidadesRaças

TERRA NOVA

img-destaque

Na ilha Terra Nova, uma raça faz companhia ao popular labrador. Os pescadores contam com a ajuda de uma raça de cães batizada com o mesmo nome da ilha. O terra-nova vive na água, quase como um cão aquático, puxando redes de pesca e salvando pessoas que acidentalmente mergulham nas águas geladas. Com perfil corajoso e leal, o gigante peludo não tem medo de se jogar no mar para levar cordas e boias para pessoas em perigo. Na costa da França as autoridades mantém um plantel de terra-novas que atuam como salva-vidas. Em terra firme, que está acostumado a puxar ainda mais carga seja no lombo ou carregando trenós. É muito trabalho, mas o terra-nova adora desafios e agradece. Está entre os cães mais amáveis: adora carinho, conviver com humanos e outros mascotes.

image002

Temperamento

O cão da raça Terra Nova tem o costume de ser um cão bastante gentil e dócil, gostam muito de água, de recuperar objetos e não hesitam em salvar tudo e todos que caem na água mesmo que não se precise de salvamentos. O cão Terra Nova é um animal bastante obediente ao seu dono, que gosta de agradá-lo. Apesar disso pode demonstrar uma certa dificuldade em termos de treinamento. Seus movimentos mais lentos exigem que seu treinador possua muita paciência nas atividades.

É um cão um tanto sensível principalmente a tons de voz mais ásperos, deve ser treinado porém precisa de um treino que seja estimulante e ao mesmo tempo divertido. É um cão que costuma ser carinhoso e afetuoso com seu próximo, não gosta de solidão e podem ficar deprimidos caso fiquem sozinhos por muito tempo. É ótimo nas atividades de cão de guarda e também cão de alerta. Possui um ladrar grave, que utiliza sempre que possível para dar sinal ao seu dono. Se sentir que sua família ou seus criadores estão em perigo, irá sempre se colocar a postos entre o dono e o perigo, protegendo assim os seus mentores.

São cães excelentes com as crianças, e acima de tudo precisam ser ensinados principalmente a não partirem para brincadeiras mais bruscas para que não aconteçam assim acidentes. São cães que se mostram desconfiados com pessoas estranhas, apesar de serem considerados cães pacíficos. São muito harmoniosos, se dando bem com gatos e outros animais. Existem apenas alguns registros que apontam determinadas raças com uma certa dificuldade de lidar com outros cães da mesma família, principalmente se forem machos. Muito provavelmente está relacionado á briga por espaço. Os cães desta raça possuem um nível de energia moderado, se adaptando inclusive a vida em apartamento, desde que possam ser suficientemente exercitados. Uma boa alternativa e uma piscina, pois a natação é ideal para este cão. Caso você tenha uma piscina, certamente irá o encontrar por lá se divertindo pois adora água. Os passeios diários são altamente recomendados para este cão, indispensáveis para o bom desenvolvimento da raça principalmente nos primeiros meses até dois anos de vida.

O cão Terra Nova não é um cão que se mantêm limpo por muito tempo. Sempre que ele tiver acesso a água ele não irá hesitar em se molhar, por isso é importante sempre ter uma toalha a mão caso passeie por locais onde tiverem rios, lagos ou mares. O cão baba muito após beber água, largando pingos por onde passa.

 

Classificação superior: Cachorro

Expectativa de vida: de 8 a 10 anos

Altura: Macho: 69–74 cm, Feminino: 63–69 cm

Personalidade: Gentil, Dócil, Treinável

Peso: Macho: 60–70 kg, Feminino: 45–55 kg

Cores: Preto, Cinzento, Marrom, Preto e branco

Leia mais
CãesCuriosidadesNovidades

ANIMAIS TÊM SENTIMENTOS?

img-destaque

Semelhanças básicas entre os sinais celebrais dos humanos e de alguns animais mostram que os mamíferos, as aves e os invertebrados como o polvo também apresentam estados mentais, ações intencionais e inteligência.

image002

 

Durante séculos, o meio acadêmico se mostrou cético com relação á capacidade de os animais demonstrarem sentimentos, como a dor ou o prazer. Mais esse posicionamento vem mudando na medida em que a ciência acumula um número significativo e crescente de evidencias que apontam para a existência de emoções e sentimentos em varias espécies animais.

Na Declaração de Cambridge , em  7 de julho de 2012, um grupo de destaque internacional de neurocientistas cognitivos , neuropharmacologists , neurofisiologistas , neuroanatomistas e neurocientistas computacionais reuniram-se na Universidade de Cambridge para reavaliar os substratos neurobiológicos da consciência experiência e comportamentos relacionados em animais humanos e não-humanos . No documento, 25 renomados cientistas afirmam que o ser humano não é o único a gozar de consciência. Semelhanças básicas entre os sinais celebrais dos humanos e de alguns animais mostram que os mamíferos, as aves e os invertebrados como o polvo também apresentam estados mentais, ações intencionais e inteligência.

Nesse contexto, cresce o clamor de segmentos da sociedade por respeito aos animais. Demanda que aumenta na medida em que evoluem os valores morais e os princípios éticos que norteiam e equilibram o convívio em sociedade. Dessa evolução, nasceram manifestações no Brasil e no mundo pela inclusão dos animais como sujeitos de direito.

O próprio reconhecimento da ciência animal – ou seja, a capacidade de outros animais terem sensações e percepções conscientes sobre o que acontece consigo ou ao seu redor – reforça a tese de que eles são indivíduos e não coisas ou propriedades.

O assunto é complexo e não se esgota facilmente. Por isso, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) vem atuando, por meio da comissão de Ética, Bioética e Bem – estar Animal (CEBEA/CFMV), para atender a demanda da sociedade, como o melhor tratamento aos animais, ao longo de13 anos, a CEBEA encabeçou diversas iniciativas relevantes, com destaque para resoluções sobre bem-estar animal, ética profissional e bioética, além de fóruns discussão realizado em todo país. Recentemente, por exemplo, o CFMV, numa parceria com a Universidade Federal do Paraná  (UFPR), reuniu em Curitiba, no III Congresso Brasileiro de Bioética e Bem – Estar Animal, mais de 700 pessoas, entre profissionais e estudantes de medicina veterinária. Durante três dias, uma equipe de renomados especialistas promoveu debates aprofundados sobre temas relevantes para o bem estar animal no Brasil e no mundo.

Leia mais
Novidades

Feirinha de Filhotes Terra Zoo

Captura de tela 2016-02-16 18.26.23

A segunda edição da Feirinha de Filhotes de 2016 está chegando pra te encantar. Você vai se apaixonar!

Então marque na agenda: Sábado, dia 20, na Terra Zoo da Forquilha a partir das 9h.

Nessa edição teremos muitas novidades:

  • Encontro da raça Chow Chow;
  • Provas de obstáculos aberto ao público;
  • Apresentação de treinamento de cães de guarda.

Feirinha de Filhotes 20.02.2016

Venha encontrar o seu amiCÃO na segunda edição da Feirinha de Filhotes de 2016.Marque na agenda: Sábado, dia 20, na Terra Zoo da Forquilha a partir das 9h.Nessa edição teremos muitas novidades:•Encontro da raça Chow Chow (manhã);•Provas de obstáculos aberto ao público (manhã);•Apresentação de treinamento de cães de guarda (tarde).#TerraZoo #Filhotes

Publicado por Terra Zoo em Terça, 16 de fevereiro de 2016

Leia mais
Novidades

Exposição de cães de raça – Fique por dentro

expo

A Terra Zoo da Forquilha, vem sediando várias exposições de cães de raça. Um programa diferente, que sempre agrada crianças e adultos, que podem apreciar de perto, em uma arena coberta, a apresentação de 150 cães de 42 raças diferentes.

Em setembro de 2015 foram oito exposições pan americanas, com juízes brasileiros e de outros países, como Bolívia, Perú, Uruguai e Chile. Batizada de Primeira Exposição Delta do Parnaíba, por ter sido realizada em conjunto pelos Kennel Clubs do Maranhão e do Piauí, a exposição atraiu expositores de vários estados. Aberta ao público em geral, o evento atraiu criadores veteranos de cães e leigos no assunto.

Vista panorâmica da pista de apresentação de cães

Se você assistiu pela primeira vez à uma exposição de cães, deve ter se perguntado o que pessoas de ternos e blazers faziam correndo com cachorros ao redor de uma arena, quase que como se estivessem em uma procissão. De um lado um Fila Brasileiro enorme, de outro um minúsculo Chihuahua, ou ainda um Bulldog Inglês, com aquela cara achatada de mau, mas que na verdade, não passa de um excelente cão de companhia.

O diretor da Terra Zoo, Marcio Brasil, sorteando brindes entre os presentes

A primeira vez que se vai a uma exposição de cães,  quase sempre não se entende nada. Para um leigo, o máximo que se consegue é apreciar as diferentes raças. Você pode até ser advertido,  por “passar a mão” inocentemente na cabeça de algum cão em uma destas exposições, já que horas de trabalho podem ir por água abaixo, assanhando sem querer, um penteado de um poodle ao tentar fazer um carinho.

Juiza comprimenta o apresentador da raça Basset Hound pela vitória no grupo

Pois bem, exposições de beleza de cães, são eventos nos quais cães de raça pura, competem uns contra os outros, baseados em seus padrões de raça. ” O termo beleza refere-se a atributos físicos dos cães, incluindo aparência e estrutura do corpo”, explica Marcio Britto, criador e expositor de cães da raça bulldog francês, que já importou para o Maranhão exemplares dos melhores canis do mundo, e que pela qualidade de sua criação, está sempre ganhando exposições tanto no Brasil quanto no exterior.  Seu cão importado da Bélgica, de nome Loco Loco de La Parule, por exemplo, ganhou em junho de 2015, em Milão na Itália, o título de Campeão Mundial da raça bulldog francês,  vencendo outros 357 cães da mesma raça, além de já ter conquistado o título de campeão em 10 países diferentes. Uma verdadeira celebridade canina!!!

Juiz observa cães finalistas para escolher o melhor

Algumas exposições de beleza de cães, de tão famosas reúnem milhares de cães. Se o American Kennel Club promove o Westminster, no Madson Square Garden em NY reunindo mais de 2.000 cães, sendo a exposição mais famosa dos Estados Unidos, a Inglaterra sedia a maior exposição de cães do mundo – a Crufts Dog Show, que este ano reuniu mais de 21 mil cães de diversos países, vindos de 45 países diferentes. Na Crufts, durante quatro dias, os cães participaram de uma série de competições, que avaliaram quesitos como beleza, porte físico e agilidade. O evento é uma tradição de mais de um século: a primeira edição foi realizada em 1891, organizada por Charles Cruft, um apaixonado por cães, explica Ronan Weber, gerente do setor pet da Terra Zoo.

Cadela da raça Fila Brasileiro com seu apresentador

Essas exposições são populares entre os entusiastas e aqueles que gostam de cães de raça pura.  Na verdade, participar de uma exposição pode ser bem caro para os donos dos cães, levando-se em conta os custos com os cuidados com o animal e as viagens. Depois de mais de um século, as exposições ainda são bastante populares.
Em uma exposição, primeiro são escolhidos os cães mais bonitos de cada raça. Depois este cães, competem com os de outras raças dos mesmos grupos dos quais fazem parte. Diferentes raças são agrupadas de acordo as aptidões. Exemplo poodle, shih tzu, chihuahua e maltês, pertencem ao grupo de cães de companhia, enquanto Dobermann, Rotweiller e Dogue Alemão são cães de guarda. Ao todo são 10 grupos. Escolhe-se então os melhores de cada grupo e no final, o  melhor cão da exposição.

Apresentadora exibe cão da raça Sptiz Alemão

EXISTEM TRES TIPOS DE EXPOSIÇÃO
1. Exposição Geral de Todas as Raças: é um evento de âmbito geral onde entram todas as raças que, depois, são comparadas entre si para avaliar o nível geral da criação de cães. Dividem se em:
Exposição  Nacional – julgada por um Árbitro de grupo ou de todas as raças onde os cães participam de Campeonato Nacional.
Exposição  Pan Americana – julgada por um Árbitro de grupo ou de todas as raças onde os cães participam de Campeonato Pan Americano.
Exposição  Internacional – julgada por um Árbitro de grupo ou de todas as raças onde os cães participam de Campeonato Internacional.

2. Exposição Especializada de uma Raça é uma mostra na qual só participam exemplares da mesma raça e têm o objetivo de esmiuçar as qualidades e faltas particulares da raça analisada. Julgada por um Árbitro especializado, normalmente, criador da raça.

3.  Match de raça é um evento de âmbito regional, julgada por um criador da raça que promove o evento com o objetivo de formar futuros Árbitros de Exposições.

Apresentador tenta chamar a atenção para o cão que está apresentando

COMO FUNCIONAM AS EXPOSIÇÕES CANINAS- O ritual da exposição passo a passo.
1.  Julgamento das raças – na primeira etapa da Exposição as raças são separadas por Grupos e cada raça de cada grupo é examinada separadamente, obedecendo ao seguinte ritual:
a) Julgamento das classes – as classes são separadas por sexo, idade e título. Primeiro as fêmeas e depois os machos.
Na classe filhote são avaliados e classificados os cães com idade entre quatro e seis meses.
Na classe Novíssimos seis meses e um dia e os doze meses.
Na classe Juniores são avaliados e classificados os cães com idade entre os doze meses e um dia e os vinte e quatro meses.
Na classe seniores são julgados os cães na faixa etária de mais de vinte e quatro meses que ainda não tenham títulos, para disputar o título de Campeão.
Depois vem a classe campeonato onde são julgados os exemplares que já tenham obtido o título de campeão, para disputar o Grande Campeonato.
Na Classe Grande Campeonato só participam os Grande Campeões.

Apresentador oferece petisco a um cão da raça Golden Retriever

b) Julgamento do Melhor da Raça – uma vez selecionados os vencedores das classes, a etapa seguinte é o julgamento do Melhor Machoentre os machos e da Melhor Fêmea entre as fêmeas. O julgamento da raça termina com o julgamento do Melhor da Raça e o Reserva da Raça entre o macho vencedor e a fêmea vencedora. No julgamento do Reserva da raça entram também os Reservas Macho e os Reserva Fêmea conforme o caso. Se o macho ganhar, entra o Reserva Macho para disputar com a Melhor Fêmea, o Reserva da Raça e vice versa.
2.  Julgamento dos grupos
Os grupos são separados em 10, segundo o critério da FCI:
Grupo  1 – Cães Pastores e Boiadeiros (Exceto os Suíços)
Grupo  2 – Pinscher, Schnauzer, Molossos e Boiadeiros Suíços.
Grupo  3 – Terriers.
Grupo  4 – Dachshunds.
Grupo  5 – Cães Spitz e Tipo Primitivo.
Grupo  6 – Sabujos e Cães de Pista de Sangue.
Grupo  7 – Cães de Aponte.
Grupo  8 – Cães Recolhedores, Levantadores e d’Água.
Grupo  9 – Cães de Companhia.
Grupo 10 – Lebréis ou galgos.

Apresentador de cães é chamado de handler, na foto o handler exibe o cão da raça Basset  Hound

Os vencedores de raça, agora vão disputar os melhores dos grupos, assim, um a um entram novamente em pista os vencedores das raças pertencentes ao primeiro grupo. Desses cães são pescados os quatro melhores do grupo 1. Em seguida entram os vencedores do grupo 2 e, com o mesmo procedimento, são selecionados os quatro melhores do grupo 2 e assim por diante até o grupo 10.

A bulldog francesa importada da Dinamarca com o proprietário Marcio Britto e juízes de vários países

3.  Julgamento do Final da Exposição
Os vencedores de grupo, agora vão disputar o Melhor da Exposição, assim, um a um entram novamente em pista os vencedores dos grupos. Desses cães são selecionados os quatro Melhores da Exposição começando pelo Melhor da Exposição (Best-in-Show). Após entrar o reserva do vencedor o Árbitro seleciona o Segundo Melhor da Exposição e assim por diante.

Leia mais
1 2
Page 2 of 2